segunda-feira, 24 de novembro de 2014


MATRICULAS ABERTAS 2017.



Entre em contato através 33525804, agende sua visita. 
Teremos o prazer em recebe-lo, você irá se encantar!!
   
                           Não é cobrado taxa de matrícula, desconto especial no mês de Janeiro 2017.

sábado, 23 de março de 2013

Periodo de Adaptação - Texto

ENTRADA NA ESCOLA!!!

Período de Adaptação:
O inicio de uma criança na escola é sempre difícil. Por isso é considerado por nós um momento muito importante e levado muito a sério!
É um momento de adaptação da criança e dos pais. A criança que está se inserindo num mundo novo, até então nunca conhecido. E os pais, que também sofrem com a ansiedade e o medo da reação da criança.

Como preparar a criança?
É importante não esconder nada. Explique que ele vai para a escola a partir de um determinado dia, que você vai levá-lo, vai buscá-lo e que o acompanhará no início. Fale dos novos amigos que irá fazer, da professora, de como é a escola e o que acontece nela. Não crie falsas expectativas no seu filho. Explique que você vai acompanhá-lo por um período, mas que, depois disso, você vai voltar ao trabalho e ele vai ficar só com a professora e com os colegas. Os pais passarem segurança e não esconderem coisas da criança é algo fundamental nesse processo.
Neste período também, algumas crianças podem querer levar algum brinquedo ou objeto significativo para escola. Se isso ocorrer combine com a equipe da escola e permita com que a criança leve, isso vai auxiliar que ele se sinta mais seguro neste primeiro momento.

Qual o papel da família no processo de adaptação?
Primeiramente é na escola da escola para seu filho (a). Posteriormente a isso, os pais devem conhecer bem as rotinas, buscar conhecer toda a equipe da escola para sentirem-se seguros e passar isso aos seus filhos. Além disso, algum familiar que a criança tenha mais contato deve participar inicialmente indo junto na escola, estimulando que a criança fique e sinta-se segura neste novo ambiente.
Lembre-se: nunca vá embora sem se despedir do seu filho, isso pode aumentar a insegurança dele.
Outro ponto importante é demonstrar interesse em como foi o dia ou período que a criança ficou na escola, porém, sem fazer perguntas exageradas. Isso além de fazer com que as crianças sintam que os pais se preocupam com ela os estimulará a gostar da escola.

E quando eles choram?
Devemos primeiro identificar que tipo de choro é. Se a criança está chorando para manipular o ambiente ou então por não quererem se afastar dos pais. Se isso ocorrer, converse com a escola para ver que medidas deve tomar. Mas não esqueça, é normal a criança chorar neste processo, afinal é tudo muito novo para ela.

Lembrando algumas dicas:

*      Evite fazer comentários sobre a adaptação da criança em sua presença. 
*      Entregue seu filho à professora e caso já esteja caminhado, coloque-o no chão, para facilitar a despedida. Deixe seu filho, diga adeus com naturalidade não prolongue a despedida!
*      Evite interrogatório sobre o dia da criança na escola.
*      Respeite o horário de entrada e saída estipulado pela professora ou coordenadora. Neste período devemos aumentar gradativamente o tempo de permanência da criança na escola. 
*      Mantenha a regularidade e pontualidade.
*      Evite mudanças significativas na rotina (exemplo: retirada de fraldas, mamadeira, troca de quarto...).
*      Permita que a criança leve um objeto de casa neste período. Pode ser um brinquedo ou qualquer outra coisa a qual tenha apego. Este objeto representa uma ligação com a casa e faz a criança se sentir mais segura.
*      E caso surja alguma dúvida ou insegurança, procure a equipe de nossa escola! Estaremos sempre à disposição.

Texto elaborado pela Psicóloga Cristiane Feil – CRP: 07/19104

domingo, 16 de setembro de 2012

Brincar é coisa Séria!


VAMOS BRINCAR?

 A DIFERENÇA ENTRE AS BRINCADEIRAS ANTIGAS E ATUAIS


Antigamente as crianças não tinham tantos brinquedos como as de hoje e, por isso, tinham que usar mais a criatividade para criá-los. Hoje em dia é normal ver uma criança que, ao mesmo tempo, navega na internet, folheia uma revista, fala no telefone, e ainda assiste televisão.
            Hoje em dia as brincadeiras infantis mudaram muito em relação ao passado. As crianças de hoje se divertem com computadores e vídeo games, fazendo com que as brincadeiras de antigamente não chamem mais a atenção. A informação hoje em dia é em tempo real, o aprendizado das crianças é mais rápido, não existem barreiras de tempo ou de distância para que qualquer um saiba o que está acontecendo.

 Mas com todo esse aparato tecnológico, muitas coisas do passado ficam esquecidas, as brincadeiras ingênuas, e sem qualquer tipo de tecnologia, criada apenas para divertir os pequenos, seja com giz, madeira, ou objetos improvisados.

Antigamente as crianças brincavam de roda cutia, pega-pega, iô-iô, amarelinha, passa anel, cobra cega, peteca entre outras. Usavam tocos de madeira, pedrinhas, legumes e palitos para fazer animais, além das brincadeiras como amarelinha, cinco Marias, bolinha de gude, cantigas de roda, passa anel, roda pião, empinar pipa dentre várias outras e assim, se divertiram por décadas e décadas.
As brincadeiras de crianças que envolvem jogos e atividades exigindo a imaginação e criatividade dos pequeninos são ideia para trabalhar o desenvolvimento mental, intelectual e social na infância. Os jogos de tabuleiros são atividades desenvolvidas até mesmo por algumas escolas por estimular o aprendizado diário das crianças.
As brincadeiras que forçam as atividades físicas são excelentes para o desenvolvimento motor, equilíbrio, destreza e a agilidade na infância. No entanto, as atividades que exigem esforços físicos também estão estimulando o desenvolvimento mental, trabalhando a disciplina e concentração da criança conforme a atividade praticada.
Como vimos, existem varias opções para a diversão das crianças, mas as brincadeiras infantis que trazem maior satisfação e entusiasmo para a criançada são as brincadeiras que são feitas em competição. Competir significa buscar um objetivo e exige concentração, raciocínio lógico, esforço físico além de estimular a imaginação e a criatividade das crianças e é uma brincadeira saudável e prazerosa mesmo sem recompensa estabelecida nos resultados das competições.

As brincadeiras de crianças podem ser feitas de varias maneiras, mas é importante observar como e onde as crianças estão brincando. Brincar ao ar livre, por exemplo, deixa a brincadeira mais saudável. Criar oportunidades para que as brincadeiras entre pais e filhos aconteçam também é uma ótima oportunidade para o crescimento e de ambos.
Com os avanços da modernidade, a tecnologia trouxe brinquedos que exigem menos da criatividade das crianças.. Com a Tecnologia as brincadeiras são mais dentro de casa em vídeo games, computadores e muitas se divertem assistindo DVD de desenho o dia todo e aquela infância gostosa de correria e alegria quase não se veem mais.
            Os pais devem estar mais atentos e dosar o uso do computador, local, distância do aparelho, postura inadequada da criança, atividade física e estabelecer regras e horários de uso farão com que a criança tenha um equilíbrio entre essas e outras atividades.
            Partindo desse texto encontrado na internet, nos utilizamos da tecnologia para refletir sobre nosso dia a dia em nossa escola e sobre nossas Abelhinhas. O brincar sempre foi um dos pontos estimulados por nossa escola, pois acreditamos nele como um ponto central do desenvolvimento infantil.



“Brincar é a possibilidade de criar vínculos. Ao brincar a criança constrói conhecimento”. Brincando as crianças desenvolvem a criatividade e a imaginação, pontos fundamentais para o desenvolvimento saudável.

Brincar é coisa séria!



Cristiane Feil e Juliana Paiva
Equipe Abelhinha Sapeca Setembro/2012

sábado, 1 de setembro de 2012

Reunião de Pais e Responsáveis.




Momento especial onde apresentamos nossa proposta escolar, calendário escolar e diversos outros assuntos sobre e administrativas! 


Lembrando a todos;

Assuntos referentes a parte PEDAGÓGICA da escola devem ser enviados pelo e-mail: abelhinhasapeca@gmail.com - 


Assuntos referentes a parte ADMINISTRATIVA da escola devem ser enviados pelo e-mail: secretariaabelhinhasapeca@gmail.com









quinta-feira, 28 de junho de 2012

Entrar na escola, quando é a hora?


Entrar na escola, quando é a hora?

A decisão de quando colocar um filho em uma creche ou escola é um momento difícil, principalmente para pais de primeira viagem. Um medo e insegurança muito grande rondam esse período: “será que vão cuidar bem do meu filho?”, “será que é a hora certa?”, “como será que ele vai se adaptar?”, entre tantos outros questionamentos que surgem nos pais nesses momentos.
Não podemos dizer que há um momento certo, ou idade certa para se iniciar uma adaptação na escola, o melhor momento é quando os pais percebem que está na hora para eles e para a criança. Levando em consideração que essa decisão pode acontecer devido ao fim da licença maternidade para as mães, retorno das atividades, ou então por acharem que está na hora de iniciar uma socialização maior, função essa fundamental para o desenvolvimento das crianças.
A escola deverá ser um espaço profissional de lazer, cuidados físicos e emocionais, desenvolvimento e socialização para a criança. Os pais deverão encontrar a sua creche/escola, ou seja, o espaço que melhor lhes dê o sentimento de acolhida, aquele com o qual eles mais se identifiquem, que mais tenha "a sua cara". Enfim, aquele lugar e aqueles profissionais com as quais, os pais tenham vontade de estar. Podemos considerar esse como o ponto mais importante na hora dos pais escolherem o local que irão deixar seus filhos.
Pensando nisso, fica nossa sugestão, visite quantas escolas for possível, observe o ambiente, as pessoas, o movimento das crianças, os adultos que nela estiverem. Marque mais entrevistas com pedagogas, psicólogas e donos das creches visitadas.


Se vocês já não estiverem certos dos benefícios que a creche pode trazer como opção para a criança, esta questão imediatamente servirá para abalar de vez sua estrutura e confiança em sua opção. Por isso, fica uma sugestão, faça isso da maneira mais tranquila para os pais e para o bebê, respeitando o tempo de cada um dos envolvidos nesse processo. É um momento de adaptação para todos: o bebê/criança, para os pais e também para a escola/professora que irá recebê-los. Importante ressaltarmos que qualquer duvida ou incerteza que os pais tiverem será sentido pelo filho e isso pode dificultar o processo.
Enfim, podendo estar os pais tranquilos e satisfeitos com a decisão tomada, sabendo que o que estão fazendo não é abandonando seus filhos nem delegando a sua função de pai ou mãe aos outros e sim podendo contar com a escola como uma alheada na educação de seu filho.

Texto elaborado por: Cristiane Feil (psicóloga) e Juliana Paiva (pedagoga)

sábado, 16 de junho de 2012

E agora, meu filho virou um “Mordedor”?


Mesmo com o olhar atento das professoras de educação infantil, as crianças, costumeiramente chegam em casa com alguma mordida. A mordida é muito comum em escolas principalmente nas turmas de maternal, onde a faixa-etária se concentra entre os 2 anos de idade. Para os pais que ficam sabendo que seu filho, um doce de criança é um “mordedor”, ficam muito constrangidos. Já os pais da criança que recebeu a mordida, ficam muito aborrecidos. Da mesma forma, para as professoras, não é nada fácil ter que se justificar e explicar esses acontecimentos. O assunto em questão é que a mordida não é um tema fácil para os adultos aceitarem e ninguém quer ver seu filho identificado como o “mordedor” da turma. 
Porém, em algum momento, isso vai ocorrer com praticamente todas as crianças. Crianças de até dois anos de idade, usam a boca como instrumento de comunicação e interação com o mundo, é por essa razão que é muito comum colocarem qualquer objeto na boca. Elas sentem prazer em sugar e dar as “mordidinhas”, sendo também uma maneira de explorarem o ambiente a sua volta.
O que deve ser compreendido pelas famílias é que a criança não tem intenção de machucar. O bebê quando coloca a boca em uma parte do corpo da mãe, por exemplo, pode até machucá-la, mas não com a intenção de feri-la. Quanto mais nova é a criança menor é a noção que ela tem sobre sua própria força, esse ato é com o intuito de se relacionar e interagir com a sua mãe. No momento que a criança vai crescendo, ela vai conhecendo melhor seu próprio corpo e lidando com isso de uma maneira diferente também. A mordida é a forma mais rápida e eficaz que a criança encontra para mostrar que quer pegar um brinquedo que outra criança possa estar brincando, ou então mostrar a mãe sua insatisfação por ela ter lhe negado algo.
Quanto ao adulto, primeiramente o indicado é tentar identificar quando a criança esta utilizando-se da mordida para conseguir algo, frente a essas situações, cabe mostrar a criança que ela não pode morder porque isso machuca e causa dor, além de deixar o amigo triste. Outro ponto importante de mostrar é o que causou a mordida, nomeando os sentimentos de forma clara, pois com isso a criança começa a compreender que existem outras maneiras de expressar seus desejos. Aos poucos a criança percebe que através das palavras consegue relacionar-se melhor e passa a não precisar mais empurrar, morder, puxar os cabelos, entre outros comportamentos tão comuns nessa idade.

Mesmo que reações como essas sejam comuns nessa faixa etária, é importante estar atento para a freqüência em que elas ocorrem, pois podem ser uma forma da criança mostrar que está com algum sofrimento, sendo algumas vezes necessário procurar a ajuda de um profissional especializado para auxiliar os pais no alívio dessa dor. Mas o que deve ser lembrado, é que por mais que essas mordidas assustem, é completamente natural nessa fase do desenvolvimento infantil e que com o tempo elas tendem a cessar, assim como outros comportamentos comuns nessa idade.

Texto elaborado pela psicóloga:
 Cristiane Friedrich Feil (07/19104)  Contato: cristianefeil@gmail.com